Agravamento dos consumos de cannabis e álcool em Portugal Relatório SICAD 2020 -

Blog

26 Fev / Agravamento dos consumos de cannabis e álcool em Portugal Relatório SICAD 2020

Portugal regista um agravamento do consumo de cannabis e dos consumos de risco ou dependência de álcool

 

Portugal registou durante 2019 um aumento dos consumos de cannabis e de álcool, revela o Relatório SICAD 2020. Particularmente nas mulheres e nas faixas etárias 25-44 anos a nível da cannabis, e acima dos 44 anos a nível do álcool. A cannabis e cocaína nos novos utentes em Comunidade Terapêutica já lideram as admissões.

Aumentou também o consumo de outras drogas nos alunos de 13-18 anos. Por outro lado, verificou-se uma diminuição da perceção do risco nos alunos de 16 anos. Aumentou ainda a mortalidade relacionada com o consumo de drogas e uma duplicação das overdoses de opiáceos e cocaína.

O consumo de álcool e do binge drinking e embriaguez aumentou nos jovens 16-18 anos. Bem como os diagnósticos em que crianças/jovens assumem ou são expostos a comportamentos ligados ao consumo de álcool que afetam negativamente o seu bem-estar e desenvolvimento. E agravou-se ainda a mortalidade por doenças relacionadas com o álcool e por acidentes de viação sob influência do álcool.

Estes agravamentos estão relacionados com o aumento das quantidades disponíveis de bebidas alcoólicas, da diminuição da fiscalização dos estabelecimentos e ainda das contraordenações relativas à venda de bebidas alcoólicas a menores.

Urge agir para inverter estas tendências e problemas relacionados com as dependências e comportamentos aditivos.

 

 

Consumos de Drogas e Problemas Relacionados

 

A cannabis, cocaína e ecstasy encontram-se entre as substâncias mais consumidas. A dependência de cannabis, constatada em cerca de 0,7% da população, duplicou 1,2% na faixa etária dos 15-34 anos. A cannabis registou uma prevalência de 10% ao longo da vida, as anfetaminas 7%, seguidas da cocaína, alucinogénios, novas substâncias psicoativas e opiáceos.

As estimativas apontam para o aumento da taxa por mil habitantes de 15-64 anos de 4,5% de consumidores de alto risco recentes de opiáceos, de 9,8% a nível da cocaína e 2,1% de drogas injetadas. E ainda um consumo elevado (7,2%) ou dependência (9%, traduzido num aumento de 7%) de cannabis.

A prevalência de consumo de qualquer droga ao longo da vida nos alunos de 13-18 anos foi de 15%. E a atual de cannabis de 6%, com os jovens de 18 anos a consumirem diariamente.

Cerca de 3,8% dos alunos foram classificados como consumidores de cannabis de alto risco, 38% como consumidores recentes e 2% iniciaram o consumo com 13 anos ou menos.

 

Tratamento de Consumidores de Drogas

 

Em 2019, estiveram em tratamento 25.339 pessoas em regime ambulatório, 714 em unidades de desabituação e 2.072 em comunidades terapêuticas. Nomeadamente, 39 nas públicas e 2.033 nas licenciadas, como é o caso da Comunidade Terapêutica Quinta das Lapas Dianova.

A heroína continua a ser a droga principal que leva ao tratamento. Todavia, a cannabis e cocaína nos novos utentes em Comunidade Terapêutica já lideram as admissões. Constata-se ainda que as drogas injetadas têm vindo a diminuir entre 2 e 17% nas diversas estruturas de tratamento.

A mortalidade relacionada com o consumo de drogas aumentou 8%, sendo 85% por intoxicação acidental ou intencional. Dos 352 óbitos com presença de drogas ilícitas, 19% foram overdoses, traduzindo-se num aumento de 29%.

Na grande maioria (92%) foram detetadas mais que uma substância, destacando-se o álcool (35%) e benzodiazepinas (46%). Entre outras causas de mortes com presença de drogas, 41% deve-se a morte natural, 35% acidentes, 14% suicídio e 2% homicídio.

É de salientar que a potência/pureza da cocaína registou o valor mais elevado da década, seguido da do ecstasy.

 

 

Consumos de Álcool e Problemas Relacionados

 

As prevalências do consumo de álcool entre os 15-74 anos foram de 85% ao longo da vida, 58% nos últimos 12 meses e 49% nos últimos 30 dias. Foram ligeiramente inferiores no grupo 14-34 anos, respetivamente 83%, 52% e 41%.

Salienta-se o aumento da frequência do binge e dos consumos excessivos ou dependência. As prevalências de binge drinking e de embriaguez severa foram respetivamente de 10% e 5% entre os 15-74 anos e de 11% e 7% entre os 15-34 anos.

É de registar que 2,8% da população (4,9% dos consumidores) regista padrões de consumo excessivo ou dependência de álcool.

Nos alunos de 13-18 anos, a prevalência de consumo de bebidas alcoólicas foi de 68% (ao longo da vida), 59% (recente) e 38% (atual). Maioritariamente, cervejas e alcopops (nos mais jovens) e bebidas destiladas (nos mais velhos). A prevalência de embriaguez ligeira foi de 32% e a severa e de binge ambas de 20%.

 

Tratamento do Alcoolismo

 

Em 2019, trataram-se em ambulatório 13.926 utentes com problemas relacionados com consumo de álcool. Registou-se um aumento de 2% em comunidades terapêuticas, o mais elevado dos últimos 7 anos.

É ainda de salientar os 5.085 internamentos hospitalares, maioritariamente com doença de fígado (64%) e dependência de álcool (26%), representando 0,33% e 2,4% do total de internamentos hospitalares.

Registaram-se 2.493 óbitos por doenças atribuíveis ao álcool, um aumento de 2% e o segundo valor mais elevado dos últimos 7 anos.

O número médio de anos de vida perdidos por doenças foi de 12,2 anos.

Dos 975 óbitos positivos para o álcool, 36% foram atribuídos a acidente, 36% a morte natural, 12% a suicídio e 4% a intoxicação alcoólica. Das 182 vítimas mortais por acidentes de viação sob influência de álcool, 75% eram condutores, 15% peões e 10% passageiros.

A nível de criminalidade relacionada, registaram-se 29.473 participações de violência doméstica. Tal representa um aumento de 12% e o valor mais elevado desde 2011.

Mortes e sofrimento que podiam ser evitadas.

 

 

Reinserção

 

Valorizou-se a empregabilidade como a prioridade para a grande parte dos cidadãos com CAD, tendo sido colocados profissionalmente 560 pessoas (22% das necessidades identificadas). E, a nível da formação profissional, foram integradas 139 pessoas (21%).

 

Em conclusão

 

A situação em matéria de drogas e álcool em Portugal carece de uma estratégia integrada mais eficiente e eficaz, para enfrentar este retrato atual e os desafios na área da redução da oferta. Um retrato que, em muitas áreas, certamente será pior como resultado da pandemia da COVID-19, com agravamento de vulnerabilidades. Nomeadamente, a nível de sem-abrigo, violência doméstica, sinistralidade rodoviária, consumos abusivos e perturbações de saúde mental.

Como entidade interveniente na área, gostaríamos ainda de salientar que a reintegração socioprofissional continua a ser o “parente pobre” das intervenções em Dependências e Comportamentos Aditivos. Sem esta intervenção eficiente e eficaz, o tratamento das dependências e a inclusão social ficarão comprometidas.

 

 

SAIBA MAIS SOBRE OS RESULTADOS DE TRATAMENTO E REINSERÇÃO NA DIANOVA PORTUGAL

 

Como organização atuante no tratamento e reinserção socioprofissional a nível das dependências e comportamentos aditivos, a Dianova Portugal contribui ativamente para a melhoria da qualidade de vida e bem-estar de pessoas. Durante o ano de 2019, realizou 143 consultas de avaliação e diagnóstico, e 83 pessoas beneficiaram dos seus programas de tratamento da dependência de drogas e do alcoolismo na Comunidade Terapêutica Quinta das Lapas, licenciada e protocolada pelo SICAD e certificada em Gestão da Qualidade ISO 9001:2015.

Do total de beneficiários, 68 são do sexo masculino e 15 do sexo feminino. No que concerne à sua origem, 73% dos utentes são de nacionalidade portuguesa e 23% originários de outros países.

Dos/as utentes atendidos, as Substâncias Principais que motivaram o tratamento foram o álcool (36%), a cocaína (28%) e a heroína (19%). Em relação aos restantes utentes, 12% dos casos tem a cannabis como substância principal e 5% refere outras substâncias (benzodiazepinas e esteróides anabolizantes).

A nível do consumo, 38% dos casos por via fumada, por via oral em 42%, por via endovenosa em 19% e por via inalada 1%.

 

comunidade terapêutica

 

No âmbito da reintegração socioprofissional, 6 pessoas (5H e 1M) beneficiaram da medida Apartamento de Reinserção Social.

É ainda de salientar que 36.871 pessoas beneficiaram das suas campanhas universais de sensibilização à problemática das dependências, dirigidas e personalizadas a targets específicos.

 

comunidade terapêutica 

 

Sobre a Dianova Portugal: o nosso objetivo é oferecer tratamento da dependência de drogas e do alcoolismo baseado em evidências científicas e com certificação em gestão da qualidade ISO 9001.

By Dianova in Noticias