Dianova lança campanha Acabar com o Estigma

loading icon

21 Jun / Dianova lança campanha Acabar com o Estigma

A campanha “Acabar com o estigma a ser lançada a 26 de junho procura consciencializar para os graves efeitos emocionais, físicos e psicológicos da rejeição social em pessoas com perturbações associadas ao abuso de álcool ou de outras drogas, bem como outras dependências comportamentais. O objectivo último é salientar que a dependência não é uma escolha pessoal, mas um problema de saúde pública que deve ser tratado como tal.

“Chega um momento em que se acha que se carrega o estigma no rosto, em que se anda sempre com medo”. Esta declaração é de um consumidor de drogas em processo de reabilitação. É um reflexo das graves consequências que a rejeição e a discriminação podem ter em pessoas com dependência.

Por esta razão, a rede de ONGs Dianova lançará a campanha “Acabar com o estigma“. Pretende promover a eliminação do estigma social a que estão sujeitas as pessoas com dependências ou que se encontram em fase de recuperação.

A estigmatização de pessoas que enfrentam tais problemas pode ter vários impactos:

> pode criar um sentimento de vergonha que pode atrasar a decisão de iniciar o tratamento de reabilitação.

> pode agravar os problemas de saúde e sociais que estão frequentemente associados ao seu estado (problemas de saúde mental, ausência de acesso a alojamento, transmissão da hepatite C ou do HIV).

> pode constituir um obstáculo para encontrar ou manter um emprego.

A campanha terá a duração de um mês a partir do dia 26 de junho, o Dia Internacional contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas. Procura mudar as atitudes de vários intervenientes sociais como responsáveis políticos, profissionais de saúde, empresas e meios de comunicação social face a essas pessoas através de uma série de recomendações.

“Acabar com o estigma” demonstra a necessidade de educação relativamente às dependências e de começar a encará-las como o que são. Um problema de saúde pública que tem origem num conjunto de factores biológicos, psicológicos, sociais e culturais que resultam na incapacidade de por fim a um círculo repetido de comportamentos.

Montserrat Rafel, diretora da Dianova International, explica: “sob o slogan “Não procure a diferença, não existe!“, a campanha pretende desconstruir o imaginário social de que todas as pessoas que usam ou usaram drogas são “delinquentes” ou que “o problema das drogas” se cinge à pobreza e ao tráfico de drogas, etc.”.

“Não há cidadãos de primeira ou segunda categoria e não devemos deixar ninguém para trás” pelo que pedimos à sociedade que se una à campanha que será lançada com o hashtag #QuitStigmaNow

_______________

Sobre a Dianova

A Dianova é uma ONG internacional constituída por Associações e Fundações que operam na América, Europa, Ásia e África. Os membros da Dianova, incluindo Portugal, contribuem para o desenvolvimento dos indivíduos, comunidades e organizações através de vários programas e intervenções de carácter social e humanitário.

 

Principais afiliações

A Dianova Internacional tem um estatuto consultivo especial no Conselho Económico e Social (ECOSOC), está registada como uma organização da sociedade civil junto da Organização dos Estados Americanos (OEA) e mantém relações consultivas junto da UNESCO. A Dianova também integra o Conselho Executivo da Conferência de ONG com Relação Consultiva Com as Nações Unidas (CoNGO), da Federação Mundial de Comunidades Terapêuticas (WFTC), do Comité de ONG de Saúde Mental e do Vienna NGO Committee on Drugs (VNGOC).