loading icon

26 Set / O Marketing Digital nas ONG’s

Porque é importante a Comunicação Digital nas ONG’s?

Com os problemas sociais a emergir graduadamente, principalmente nos países menos desenvolvidos, o papel das Organizações Não-Governamentais (ONG’s) é cada vez mais importante. Actualmente, o desafio para estas organizações tem sido a capacidade de satisfazer as suas necessidades com os escassos recursos que possuem. É neste contexto que surge o Marketing Digital como uma ferramenta fundamental para alavancar a comunicação.

A nível digital, os custos são mais reduzidos e permitem divulgar amplamente uma determinada causa ou iniciativa, fortalecer a sua influência sobre outros sectores da sociedade e, assim, obter maior apoio da população.

 

Como pode o Marketing Digital ajudar a sua ONG?

Trabalhar para uma Organização não-governamental pode ser muito gratificante, contudo as ONG’s têm sérias dificuldades para sobreviver, precisando constantemente da colaboração de parcerias com empresas e comunidade para alcançar os seus objectivos. Para dificultar ainda mais, por questões financeiras, estas organizações raramente investem em publicidade. Neste cenário, o Marketing Digital pode ajudar as ONG’s a crescer através da Internet e atingir os seus objectivos.

Encontrar e conquistar Voluntários:

O Marketing Social pode ajudar, de várias formas, a conquistar voluntários que são imprescindíveis para a existência de qualquer organização social.

Por exemplo, pode ser criado um blog para partilhar informações sobre a rotina da ONG, as suas dificuldades, objectivos e a sua importância para a sociedade. Para além de imagens e vídeos é possível utilizar as Redes Sociais para que os leitores possam partilhar e divulgar os projectos da Organização.

Desta forma, a mensagem da ONG chega a mais pessoas

 

 

Obter mais Donativos:

Angariar fundos também pode parecer impossível, contudo um Website pode ser a peça que falta para uma ONG. Se já possui um e os resultados não são os pretendidos, é possível que o site não esteja a ser utilizado de forma eficaz.

O Site de uma ONG deve ser bem produzido e atractivo para os visitantes, ter informação sobre o tema da organização e apelos aos donativos.

Um ponto importante a ter em conta é que, mesmo que algumas pessoas cheguem a clicar o botão de doar, nem sempre finalizam essa acção. Isto pode acontecer se o site for complicado de navegar ou demorar a carregar, por exemplo.

Através do Google Analytics é possível analisar as interacções dos utilizadores com o site, facilitando assim a compreensão da navegação e de possíveis problemas com o mesmo. É também possível conhecer o público que o visita, o que pode ajudar a criar conteúdo adequado para os visitantes.

 

Qual a importância do conteúdo no Marketing Digital das ONG’s?

Para o sucesso social da organização, o conteúdo nunca pode ser deixado de lado pois é através deste que é possível sensibilizar o público-alvo e atrair novos financiadores ou parceiros. Apenas com uma estratégia de conteúdo bem planeada é possível atingir um grande impacto. Então, quais os passos a dar para organizar uma campanha de Marketing Digital?

1 – Definir um Público – Alvo

O primeiro passo para criar uma campanha é identificar o público-alvo da mesma. Se necessário, é possível criar personas para a campanha, para além das que devem ser criadas para a comunicação em geral. Este passo vai ajudar a definir todos os passos seguintes.

2 – Definir uma Estratégia

Após percebermos qual o alvo que queremos atingir, é necessário perceber como chegar a ele. Assim, na estratégia iremos identificar que tipo de campanha queremos realizar, quais as ideias base da mesma, que tipos de linguagem iremos empregar, que meios digitais iremos utilizar e de que forma.

3 – Definir a Mensagem

Para complementar a estratégia, iremos identificar a mensagem a passar. Para uma ONG que actua em vários sectores ou sobre vários temas, é possível que haja mais que uma mensagem a veicular. É importante que se definam várias campanhas, adequadas a cada mensagem, já que cada uma será focalizada num público-alvo específico e terá uma estratégia dedicada.

Nesta fase é fundamental definir as palavras-chave a serem utilizadas durante toda a campanha para manter uma comunicação coesa.

4 – Definir objectivos

É fundamental que os objectivos sejam atingíveis e mensuráveis, ou seja, por exemplo definir o objectivo como “aumentar em 10% os seguidores da ONG nas Redes Sociais e aumentar em 15% os visitantes ao site”.

5 – Criar um Cronograma

Após toda a campanha estar pensada é hora de criar um cronograma onde serão incluídos todos os passos a serem dados durante toda a acção. Não apenas as acções online, mas as offline também têm de estar no cronograma.

Se a campanha está dependente de uma imagem que a área de Design irá criar, essa informação tem de estar descrita no cronograma para que seja possível perceber os prazos e a influência de uma falha nas outras acções.

 

6 – Definir KPI’s e Métricas

As Métricas são indicadores que mostram um determinado comportamento do usuário, seja no site ou nas redes sociais, é a forma bruta de um indicador e geralmente não está associada a nenhuma Meta de Conversão. Por outro lado os KPI’s são indicadores criados a partir das métricas que tentam explicar matematicamente o alcance de um determinado objectivo traçado. Por isso, os KPIs estão sempre associados a uma determinada Meta de Conversão. Para completar o processo de criação de uma campanha, é fundamental serem descritas as métricas e KPI’s que irão ser analisadas periodicamente e quais as acções a tomar caso os resultados não sejam favoráveis.

 

Que Redes Sociais usar e porquê?

A escolha das Redes Sociais a serem utilizadas por qualquer empresa depende da sua estratégia de comunicação. Abaixo iremos apresentar os pontos positivos e negativos das redes sociais mais utilizadas em Portugal, assim como exemplos de métricas e KPI’s que podemos obter de cada uma delas.

Porque é que o conteúdo orgânico já não é suficiente?

Quando um utilizador procura informações, o primeiro passo é fazer uma pesquisa no motor de busca. Actualmente, o Google é o motor de busca mais utilizado em praticamente todo o mundo, fazendo com que o SEM gire à volta do mesmo.

O SEM, ou Search Engine Marketing, é o Marketing aplicado aos motores de busca que tem por objectivo atingir o maior número de utilizadores possível, no momento de pesquisa sobre um tema.

Mas, como é que o Google sabe o que está no nosso site e mostra ao utilizador como resultado da sua pesquisa?

 

SEO

O Search Engine Otimization é um conjunto de estratégias e técnicas que têm o objectivo de potencializar e melhorar o posicionamento de um site, nas páginas de resultados naturais dos motores de busca, conquistando mais visitantes e mais conversões.

60% dos utilizadores que fazem pesquisas no Google clicam nos três primeiros resultados orgânicos, por isso, o site tem de estar no topo dos resultados de pesquisa.

Como podemos estar no topo?

     > Conhecendo os termos de pesquisa que os utilizadores utilizam para nos encontrar.

     > Adaptando o site a esses termos de pesquisa.

     > Criando conteúdos interessantes e relevantes para os utilizadores.

     > Utilizando outros sites de referência para que falem de nós.

     > Criando anúncios pagos para aparecermos no topo dos resultados de pesquisa.

Estes são apenas alguns tópicos que devemos seguir se queremos estar no topo do resultado de pesquisa orgânico. Contudo, o Google utiliza um algoritmo com mais de 200 regras que determinam a maneira como o motor de pesquisa classifica, atribui ranking e relevância aos conteúdos e os apresenta aos utilizadores.

SEA

O Search Engine Advertising é a publicidade aplicada aos motores de busca. Os resultados de pesquisa pagos são mostrados no início da página de resultados e cada anúncio tem a sua classificação de acordo com a sua utilidade e relevância.

Segundo dados do Google, 65% do tráfego dos websites provém deste motor de pesquisa, sendo que é na 1ª página que ocorrem 90% dos cliques por parte dos utilizadores. O SEA tem a vantagem de ser pago por clique no anúncio e ser de rápida configuração, para além disso permite chegar ao público realmente interessado no tema pesquisado. Desta forma, obtém um ROI superior em relação aos canais de Marketing tradicionais.

É também importante perceber que o Google atribui uma pontuação ao site consoante a utilização do mesmo, sendo que quanto mais visitantes o site tiver, melhor será a sua pontuação. Com esta informação, os “robots” do motor de busca criam um ranking que é actualizado a cada pesquisa e é através dele que os resultados são apresentados aos utilizadores.

Com o SEA, a probabilidade de aparecer no topo da página é maior, gerando mais tráfego, o que irá aumentar o domínio no ranking e melhorar a sua posição nos resultados de pesquisa orgânicos. Para além disso, nos resultados pagos é possível apresentar extensões de anúncio que nos permitem apresentar ainda mais informação sobre o site e potencializar os cliques no mesmo.

Recomendações

     > Escolha as Redes Sociais que fazem sentido para a sua ONG.

     > Adapte o conteúdo e a linguagem a cada Rede Social.

     > Publique conteúdo interessante.

     > Utilize o storytelling para partilhar conteúdo.

     > Interaja com os utilizadores das suas Redes Sociais.

     > Utilize um sistema de Crowdfunding para obter donativos.

 

Autor: Vanessa Fonseca, Estagiária Departamento de Comunicação.